Archive for the ‘Maus Tratos: Abuso Sexual’ category

ARCEBISPOS IRLANDESES ESCONDERAM DURANTE DÉCADAS ABUSOS SEXUAIS

Novembro 26, 2009
“O cardeal Desmond Connell, que foi primaz da Igreja Católica na Irlanda, e mais três arcebispos do país são apontados num demolidor relatório de 700 páginas como tendo encoberto durante décadas o abuso sexual de crianças por sacerdotes de Dublin.
 
 
A não comunicação de crimes à polícia, de modo a proteger o bom nome da Igreja, é uma das faltas apontadas neste trabalho aos quatro arcebispos, segundo conta hoje o jornal britânico “The Daily Telegraph”.

Trata-se do segundo relatório que nestes últimos seis meses vem falar de abusos de crianças em instituições católicas da República da Irlanda, depois daquele que em Maio falou de décadas de flagelações, de trabalho escravo e de violações colectivas em grande parte do antigo sistema de escolas e reformatórios.

“Vai ser uma leitura de horrores. Não só as vítimas ficarão chocadas, como os paroquianos irão ficar chocados e questionarão a sua fé”, comentou a associação The Irish Survivors of Child Abuse, a propósito deste relatório a divulgar oficialmente hoje pelo Ministério irlandês da Justiça.

Foi a terceira investigação oficial que se fez nos últimos quatro anos aos abusos verificados no seio da Igreja Católica na Irlanda, depois de investigações independentes a sacerdotes que se comportaram de forma indigna.

Neste trabalho destaca-se a normalidade de a hierarquia transferir os abusadores de uma paróquia para outra, em vez de enfrentar frontalmente o problema.

“Vamos ler os sórdidos acontecimentos que se verificaram na arquidiocese de Dublin”, disse o arcebispo Diarmuid Martin, a propósito das histórias de uma amostragem de 45 sacerdotes que cometeram abusos entre 1975 e 2004.

Explica o “Daily Telegraph” que na verdade apenas se revelam os nomes verdadeiros de 10 padres, por já estarem mortos ou na cadeia, enquanto os restantes são referidos com nomes falsos, de modo a evitar-lhes inconvenientes de maior.

Estas 700 páginas pormenorizam relatos feitos pelas vítimas, A RESPOSTA DO EPISCOPADO E A FORMA COMO A POLÍCIA E AS AUTORIDADES DE SAÚDE REAGIRAM AO SABER DOS DESMANDOS.

Em especial, destaca-se o comportamento negativo do cardeal Connell e dos arcebispos John Charles McQuaid, que morreu em 1973, Dermot Ryan, que morreu em 1984, e Kevin McNamara, falecido em 1987, todos eles encobridores dos delitos cometidos por sacerdotes da arquidiocese de Dublin.

O arcebispo Martin, que sucedeu ao cardeal Connell, hoje com 83 anos, chegou à conclusão de que, desde 1940, mais de 400 crianças contaram ter sido abusadas por pelo menos 152 sacerdotes, só na área da capital irlandesa.

São AO TODO CONCO VOLUMES DE HORRORES, que levaram NOVE ANOS A COMPILAR, para se mostrar como muitos orfanatos e escolas industriais da católica Irlanda do século XX eram lugares de medo, de negligência e de abuso sexual sistemático.

O relatório que o ministro da Justiça, Dermot Ahern, hoje apresenta ao princípio da tarde critica tanto as autoridades religiosas por terem escondido estas práticas criminosas como o Ministério da Educação, por ter sido conivente com o silêncio da arquidiocese.

Este trabalho foi coordenado por uma juíza do Supremo Tribunal da Irlanda, Yvonne Murphy, que entretanto também está a investigar alegações de factos equiparáveis ocorridos na diocese rural de Cloyne, no condado de Cork, no Sul do país.”

Blocosdevida acrescentaria a esta notícia: ” Apesar dos avanços científicos e tecnológicos que estamos a acompanhar e a desfrutar, não continuará o ser humano, no seu cerne, a ser um bárbaro?” Mas,” mas”, o ser humano tem um cérebro com um espaço para a inteligência e o amor. Há que sair da idade da Barbárie para entrar numa outra Era. As modernas investigações sobre o cérebro e sistema nervoso apontam para a possibilidade dessa transformação psicológica.

Anúncios

JULGAMENTO DE ABUSO SEXUAL DE CRIANÇA DE 13 ANOS, EM CANTANHEDE

Outubro 14, 2009

Um índivíduo de 70 anos abusou sexualmente da neta (12 anos) da sua mulher. O crime terá ocrrido , há cerca de 1 ano, em casa do suspeito, numa freguesia de Cantanhede, Coimbra.

O homem foi surpreendido pela mulher a seviciar sexualmente a neta e denunciou-o, de imediato, às autoridades. Este fugiu primeiro para o Barreiro e posteriormente para os Estados Unidos, onde é emigrante.

Ontem, teve lugar a 1ª sessão do julgamento – à porta fechada – preenchida pela inquirição de 8 testemunhas. A criança esteve presente no Tribunal acompanhada pelo pai, embora não tivesse assitido à sessão. O acusado fez-se representar pelo seu advogado. O julgamento prossegue nas próximas semanas.

RELATÓRIO DO FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF)

Outubro 7, 2009

Relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) sobre a infância no mundo

Entre 5% e 10% das raparigas e 5% dos rapazes que vivem nos países industrializados são vítimas, em certo momento da sua infância, de abuso sexual com penetração. A estimativa é apresentada num relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) ontem divulgado.

Um número três vezes maior de crianças sofre alguma forma de abuso sexual”, relata o documento que tem como título: “Progresso para as crianças: um balanço da protecção da criança”.

Os estudos citados traçam um cenário negro. “A cada ano, pelo menos 4% das crianças dos países industrializados são vítimas de maus-tratos físicos e uma em cada dez é vítima de negligência ou maus-tratos psicológicos.”

Em 80 % dos casos, os agressores são os seus pais ou tutores. Em muitos destes países, uma larga maioria dos adultos continua a achar que os castigos corporais são aceitáveis. E aplicam-nos. A pobreza, os problemas de saúde mental, os baixos níveis de escolaridade, o consumo de drogas e álcool e um historial de violência na infância são alguns dos factores associados às famílias abusadoras.

unicef

NENHUM ABUSADOR SEXUAL ESTÁ ACIMA DA LEI

Outubro 4, 2009

A opinião pública, foi, desta vez, abalada com a notícia do conhecido   realizador Roman Polanski (hoje com 76 anos) ter abusado sexualmente de uma menor de 13 anos, em 1977.

À época, fugiu dos Estados Unidos para não cumprir uma longa pena de prisão. Na passada semana, foi detido na Suiça,  – a pedido do procurador de Los Angeles – à saída do avião, a fim de  ser homenageado no Festival de Cinema de Zurique.

Recorde-se que Polanski foi o realizador de “O Pianista”, tendo ganho o óscar de melhor realizador em 2003 e a Palma de Ouro em Cannes, em 2002. 

O Governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, defende que “Polansky não deve ter um tratamento especial por ser um grande realizador”.

Entretanto as opiniões dividem-se. Enquanto uma associação de defesa das crianças vítimas de abusos sexuais norte-americanas apela ao boicote aos filmes do realizador, figuras do cinema assinaram uma petição a pedir a sua libertação.

Uma vez  mais o mito “os agressores devem ser facilmente reconhecidos pelo seu aspecto exterior”, tem como objectivo desresponsabilizar os agressores. A realidade é bem diferente. Os estudos centíficos continuam a ser validados quando observam que “os agressores sexuais existem em todos os grupos sócio-económicos e em todas as profissões.

Em nome de quê desresponsabilizar a figura de Polanski?

Ele não deixa de ser um realizador de reconhecido mérito internacional mas também não deixa de ter abusado sexualmente de uma criança de 13 anos.

livro- Prevenção do abuso

SEMINÁRIO “ABUSO SEXUAL DE CRIANÇAS:CONFLITOS FAMILIARES APÓS A REVELAÇÃO DO ABUSO”

Setembro 22, 2009

A AMCV- Associação de Mulheres Contra a Violência organiza a seminário de formação sobre “Abuso Sexual de Crianças: conflitos familiares após a revelação do abuso sexual”.

O evento realiza-se nos dias 15, 16 e 17 de Outubro, entre as 9h30 e as 17h, e conta com a participação do Prf. Doutor Tilman Fürniss. O encontro tem como objectivo criar um espaço de reflexão sobre estratégias e modelos de intervenção na área do abuso sexual de crianças.

O seminário terá lugar no auditório dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, Av. Afonso Costa, 41perto da rotunda das Olaias. Mais informações através do telefone 213802160, fax 213802168, email sede@amcv.org.pt, http://www.amcv.org.pt

Polícia e Interpol desarticulam rede de pedofilia em 23 países, incluindo Portugal

Setembro 16, 2009

A Polícia Federal brasileira está a realizar uma operação com a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) para desarticular uma rede de pedofilia em 23 países, incluindo Portugal, um dos países onde foram localizados membros da rede criminosa.

A acção policial conjunta pretende uma “repressão à produção e divulgação de imagens com cenas de sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes“, segundo informa a Polícia Federal.

No Brasil foram localizados 11 suspeitos de pedofilia e até ao momento sete já foram presos em flagrante nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Ceará e no Distrito Federal.

A Polícia Federal comunicou ainda que outros 60 suspeitos foram identificados nos Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, França, Canadá, Austrália, Marrocos, Bolívia, México, Bélgica, China, Colômbia, Croácia, Espanha, Holanda, Itália, Noruega, Romênia, Suécia, Suíça, Tailândia, Venezuela e Portugal.

As medidas tomadas no exterior são coordenadas pela Interpol e acompanhadas por adidos da Polícia Federal nos respectivos países. O crime, pela legislação brasileira, está sujeito a penas que podem alcançar oito anos de prisão.

De acordo com o delegado que coordenou a operação, Jessé e Almeida, as novas prisões só foram possíveis devido à nova lei que trata dos crimes de violação que vigora desde Agosto e criminaliza a posse de material relacionado à pedofilia.

A PF informou que novas prisões ainda podem ser feitas, em decorrência dos outros seis mandados de busca e apreensão que ainda devem ser cumpridos.

A identificação do grupo aconteceu após a prisão, em 2008, de um suspeito na cidade de Campinas, interior de São Paulo, que possuía cerca de 100 gigabytes de material de pedofilia no computador e pertencia a uma rede na internet destinada à divulgação de imagens e vídeos.

BREVE ESCLARECIMENTO SOBRE A CARACTERIZAÇÃO DO EXAME MÉDICO-LEGAL NO INSTITUTO DE MEDICINA LEGAL

Agosto 22, 2009

Na continuação do post de 21 de Agosto ” Menor Alegadamente Violada Espera 12 Horas por Peritagem”, observou-se desinformação pública sobre as competências do Instituto de Medicina Legal, neste tipo de ocorrências.

O Instituto de Medicina Legal é o mediador entre a Medicina e o Direito. Assim, o/a médico/a legista, nos casos de violação, deve observar :

1. Os vestígios de violência ou luta na vítima

2.Vestígios do acto sexual

3.Descobrir e identificar manchas de sangue ou esperma

4.Investigar e provar a contaminação venérea que eventualmente possa haver e descobrir falsas acusações por considerações médico-legais.

5.Também compete ao médico-legista realizar o exame do agressor, o que raramente é possível.

O exame pericial,  cobre três áreas anatómicas:

1. A área extra-genital (identificação de equimoses, escoriações e contusões), boca (alterações à volta da boca e narinas), pescoço (identificação de elementos que possam despistar tentativas de estrangulamento ou esganadura), tórax, mamas.

2.Quanto à área genital, são observadas a vulva, a vagina, o hímen, o períneo e o ânus.

3.Relativamente à área paragenital, é observado o terço inferior da parede abdominal anterior, nádegas e parte interna das coxas.

4. São ainda recolhidos os sapatos e roupa para análises, amostras de cabelo e unhas, ou outros materiais que serão enviados para o laboratório forense.

Pode ser necessário recorrer a sedativos ou anestesia para colheitas de amostras mais complexas. A vítima não deverá realizar práticas de higiene.

medicina legal